EMILY DICKINSON


Emily Elizabeth Dickson nasceu em Amherst, Massachusetts, em 10 de dezembro de 1830. Começou seus estudos  numa escola local e, aos dezessete anos, se matriculou no Mount Holyoke Female Seminary, um colégio para moças que abandonou menos de um ano depois, alegando problemas de saúde. Após essa experiência, optou pela reclusão e foi então que começou a escrever. Publicou seu primeiro poema no periódico Springfield Republican.

Em uma das poucas viagens que realizou, a poeta apaixonou-se pelo reverendo Charles Wadsworth, um amor que nunca foi correspondido. Dickinson viveu grande parte da vida na casa paterna, em um quase isolamento físico, e enfrentou diversas crises depressivas. As pessoas mais próximas da poeta foram seus irmãos, Lavínia e Austin, e a mulher dele, Susan Gilbert, que além de amigos eram parceiros intelectuais. Emily morreu de nefrite, em 1886, praticamente desconhecida do público. Após seu falecimento, a família encontrou entre seus pertences mais de 1750 poemas, escritos a partir de 1850.

Todas as imagens são do pintor Manabu Mabe.

 SEVEN POEMS OF EMILY DICKINSON





I

I died for Beauty – but was scarce
Adjusted in the Tomb
When One who died for Truth, was lain
In an adjoining Room –

He questioned softly “Why I failed”?
“For Beauty”, I replied –
“And I – for Truth – Themself are One –
We Brethren, are”, He said –

And so, as Kinsmen, met a Night –
We talked between the Rooms –
Until the Moss had reached our lips –
And covered up – our names –

I

Morri pela beleza, mas estava apenas
No sepulcro acomodada
Quando alguém que pela verdade morrera
Foi posto na tumba ao lado.

Perguntou-me, baixinho, o que me matara:
“A  Beleza”, respondi.
“A mim, A Verdade – são ambas a mesma coisa,
Somos irmãos.”

E assim, como parentes que certa noite se encontram,
Conversamos de jazigo a jazigo,
Até que o musgo alcançou nossos lábios
E cobriu os nossos nomes.

(Tradução de Ivo Bender)




II

Me from Myself – to banish –
Had I Art –
Impregnable my Fortress
Unto All Heart –

But since Myself – assault Me –
How have I peace
Except by subjugating
Consciousness?

And since We’re mutual Monarch
How this be
Except by Abdication –
Me – of me?

II

Banir a mim de mim mesma,
Tivera eu esse dom!
Inexpugnável fosse a minha fortaleza,
Ante toda audácia.

Uma vez, porém,, que eu mesma me assalto,
Como terei paz
A não se sujeitando
A consciência?

E desde que somos monarcas um para o outro,
Como poderei alcançá-lo
A não ser abdicando
De mim mesma?

(Tradução de Ivo Bender)

III

I felt a Funeral, in my Brain,
And Mourners to and fro
Kept treading – treading – till it seemed
That Sense was breaking through –

And when they all were seated,
A Service, like a Drum –
Kept beating – beating – till I thought
My Mind was going numb –

And then I heard them lift a Box
And creak across my Soul
With thosde same Boots of Lead, again,
Then Space – began to toll,

As all the Heaven were a Bell,
And Being, but an Ear,
And I, and Silence, some strange Race
Wrecked, solitary, here –

And then a Plank in Reason, broke,
And I dropped down, and own –
And hit a World, at every plunge,
And Finished knowing – then –




III

Senti exéquias em meu cérebro
E, agitando-se, carpideiras
A pisar o solo, a pisar
Até que o senso pareceu irromper.

E, quando todas se aquietaram,
De um rito, o tambor
Passou a ressoar e pensei
Que a minha mente entrava em torpor.

Ouvi então erguerem um esquife
E cruzarem a minha alma
Com as mesmas botas de chumbo a ranger;
O espaço começou a soar

Como se os céus um sino fossem
E o ser nada mais que um ouvido,
E eu e o silêncio, uma estranha raça
Aniquilada e solitária, aqui;

E logo uma tábua na razão quebrou-se
E fui caindo, caindo,
E, na queda, atingia mundos
E acabei por saber – então –

(Tradução de Ivo Bender)



IV

I dwell in Possibility –
A fairer House than Prose –
More numerous of Windows –
Superior – for Doors –

Of Chambers as the Cedars –
Impregnable of Eye –
And for an Everlasting Roof –
The Gambrels of the Sky –

Of Visitors – the fairest –
For Occupation – This –
The spreading wide my narrow Hands
To gather Paradise –

IV

Moro na possibilidade,
Casa mais bela que a prosa,
Com muito mais janelas
E bem melhor, pelas portas

De aposentos inacessíveis,
Como são, para o olhar, os cedros,
E tendo por forro perene
Os telhados do céu.

Visitantes, só os melhores;
Por ocupação, só isto:
Abrir amplamente minhas mãos estreitas
Para agarrar o paraíso.

(Tradução Ivo Bender)







V

The Heart has narrow Banks
It measures like the Sea
In mighty – unremitting Bass
And Blue Monotony.

Till Hurricane bisect
And as itself discerns
Its insufficient Area
The Heart convulsive learns

That Calm is but a Wall
Of unattempted Gauze
An instant’s Push demolishes
A Questioning – dissolves.

V

O coração tem bordas estreitas
E, feito o mar, se mensura
Por um poderoso baixo contínuo
E monotonia azul.

Até que um furacão o seccione
E, enquanto desco e
Seu insuficiente espaço
Aprende em convulsões

Que a calmaria é tão-só muralha
De intocada gaze:
A pressão de um instante a destrói,
Um questionamento a esgarça.

(Tradução de Ivo Bender)




VI

I had not minded – Walls –
Were Universe – one Rocks –
And far I heard his silver Call
The other side the Block –

I’d tunned – till my Groove
Pushed sudden thro’ to his –
Then my face take her Recompense –
The looking in his Eyes –

But’tis a single Hair –
A filament – a law –
A Cobweb – wove in Adamant –
A Batllement – of Straw –

A limit like the Veil
Unto the Lady’s face –
But every Mesh – a Citadel –
And Dragons – in the Crease –

VI

Muralhas não me impediriam,
Se fosse rocha o universe
E eu ouvisse sua voz de prata
A chamar do outro lado da pedra.

Cavaria até que meu túnel
Ao seu de repente chegasse,
Teria então minha recompensa –
Deter-me no seu olhar.

Mas existe um quase nada,
Um filamento, uma lei,
Teia em diamante urdida,
Ou palha trançada em ameia –

É um limite ao véu
Por sobre o rosto da dama –
Mas cada dobra é um fortim
Com dragões por entre a renda.

(Tradução de Ivo Bender)




VII

Death is a Dialogue between
The Spirit and the Dust.
“Dissolve” says Death – The Spirit “sir
I have another Trust” –

Death doubts it – Argues from the Ground –
The Spirit turns away
Just laying off for evidence
An Overcoat of Clay.

VII

A Morte é um Diálogo entre
A Alma e o Pó.
Diz a Morte “Some” – A Alma “Só
Me cabe ser Crente” –

A Morte – sob a Terra – clama.
Vai-se a Alma
Deixando o seu – prova cabal –
Manto de lama.

(Tradução de Augusto de Campos)

FONTES:  BENDER, Ivo. Poemas escolhidos / Emily Dickinson. Porto Alegre: L&PM, 2008.
                CAMPOS, Augusto de Campos. O anticrítico. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.
               

Postagens mais visitadas