segunda-feira, 11 de março de 2013

Robet Creeley


















The flower 


I think I grow tensions
like flowers
in a wood where
nobody goes

Each wound is perfect,
encloses itself in a tiny
imperceptible blossom,
making pain.

Pain is a flower like that one,
like this one,
like that one,
like this  one.


Tradução de Régis Bonvicino

A flor

Penso que cultivo tensões
como flores
num bosque onde
ninguém vai.

Cada ferida – perfeita -,
fecha-se numa minúscula imperceptível pétala,
causando dor.

Dor é uma flor como aquela,
como esta,
como aquela,
como esta.



After Lorca



For M. Marti

The Church is a business, and the rich
are the business men.
When they pull on the bells, the
poor come pilling in and when a poor man dies, he has a wooden
cross,
and they rush through the ceremony.

But when a rich man dies, they
drag out the Sacrement
and a golden Cross, and go doucement, doucement
to the cemetery.

And the poor love it
and think it’s crazy.


Depois de Lorca

Para M. Marti

A Igreja é um negócio, e os ricos
são homens de negócio.
Quando os sinos batem, os
pobres se aglomeram na nave e quando morre um miserável, ganha uma                                                                                  / cruz
de madeira,
e aceleram a cerimônia.

Mas quando um rico morre
suprimem o Sacramento
e a Cruz dourada, e caminham doucement, doucement
para o cemitério.

E os pobres adoram
e  acham uma loucura.

Tradução de José Antônio Cavalcanti




Nenhum comentário:

Postar um comentário