Sylvia Plath
















Poema de Silvia Plath traduzido por Rodrigo Garcia Lopes e Maurício Arruda Mendonça.

Os mensageiros

Palavra de lesma numa lâmina de grama?
Não é minha. Não aceite.

Ácido acético numa lata selada?
Não aceite. Não é genuíno.

Anel de ouro com reflexo de sol?
Loas. Loas e mágoa.

Geada na folha, o caldeirão
Imaculado, estalando e falando

Sozinho no alto de cada um
Dos nove Alpes negros.

Distúrbio nos espelhos,
O mar estilhaçando seu cinza ˗˗

Amor, amor, minha estação.

The courriers

The word of a snail on the plate of a leaf?
It is not mine. Do no accept it.

Acetic acid in a sealed tin?
Do not accept it. It is not genuine.

A ring of gold with the sun in it?
Lies. Lies and a grief.

Frost on a leaf, the immaculate
Cauldron, talking and cracking

All to itself on the top of each
Of nine black Alps.

A disturbance in mirrors,
The sea shattering its gray one -

Love, love, my season.


In PLATH, Sylvia. Poemas. 2a. ed. São Paulo: Iluminuras, 2007, p. 67.


Postagens mais visitadas