ADOLFO MONTEJO NAVAS



Adolfo Montejo Navas, poeta e crítico, nasceu em Madri em 1954 mas mora no Brasil há mais de quatorze anos. Colaborador de diversas publicações culturais da Espanha e do Brasil, é correspondente no Brasil da revista de arte internacional Lápiz, de Madri, desde 1998, onde publica periodicamente ensaios e artigos. Foi correspondente do jornal El Mundo, Madri, na metade da década de 90 e foi crítico de arte do site no.com.br. no período 2001/2002. Colaborou intensamente com a revista Cult, São Paulo (participou do dossier Joan Brossa –com João Bandeira– e organizou o dedicado à Literatura espanhola contemporânea). Faz parte dos conselhos da revista/site LaGioconda.art.br e do jornal de crítica K de São Paulo, e é colunista do site www.confrariadovento.com.br Possuí textos críticos em livros e catálogos de Waltercio Caldas, Arthur Omar, Efrain Almeida, Artur Barrio, Regina Silveira, Nelson Leirner, Miguel Rio Branco, Anna Bella Geiger, Eduardo Coimbra, Victor Arruda e José Rufino. Tem realizado numerosas curadorias na Espanha e no Brasil, e a partir de 2004 é palestrante da Rede de Artes Visuais (Funarte).

É autor de 30 Duetos, em Poemas-Cadernos de Literatura 3, com Armando Freitas Filho (Impressões do Brasil, 1996), Inscripciones (Coda, Madri, 1999), Íntimo infinito (Moby Dick, Rio, 2001), Pedras pensadas (Ateliê, São Paulo, 2002), Na linha do horizonte/Conjuros (7 Letras, Rio, 2003), 49 silêncios (Ed. de autor, Rio, 2004), 6 Poemas instrumentais (ed. objeto, 2005), Da Hipocondria (Ed.7 Letras, 2005), Esse animal de água (Espectro Editorial, Belo Horizonte, 2005), Sín título, mas com imán (Revista Atlântica, 29, Cádiz, 2006), Ventreadentro (com Diana Araujo Pereira, ed. do autor, Rio, 2007) e Sobretempo (ed. com Dupla Design, Rio, 2007). Como tradutor destacam-se Poemas de Álvaro de Campos/Fernando Pessoa, I, II e III (Hiperión, 1998) e Correspondencia Celeste (Nueva Poesía Brasileña 1960-2000) (Árdora, 2001), além de vários livros de Armando Feitas Filho (Cabeza de hombre, Hiperión, 1995; Cable tierra, DVD, 2002), Sebastião Uchoa Leite (Contratextos, DVD, 2001), Carlos Drummond de Andrade (Sentimiento del mundo, Hiperión, 2005), e em breve, Waly Salomão (Algarabías y otros poemas).

Tem recebido várias bolsas de tradução (do Dpto. Nacional do Livro-Biblioteca Nacional) e bolsa de pesquisa cultural (Literatura) da RIOARTE, 2001, para o livro É chapa quente - Dicionário de vozes cariocas, , em processo de publicação. Idealizador e organizador do livro de Anna Bella Geiger – Territórios, passagens, situações (Ed. Casa da Palavra, Rio, 2007), com o apoio da Petrobrás / Memória das Artes – 2004. Autor também de Marcos Chaves (Ed. Casa da Palavra, Rio, 2007). Em breve aparecerá o volume “Aproximações críticas (Arte brasileira contemporânea)” (Ed. Unimarco, São Paulo), com parte da produção crítica de artes visuais e em 2008 o ensaio “Fotografia e Poesia (afinidades eletivas)” (Ed. Jorge Zahar, Rio de Janeiro). Vem realizando a partir de 1994 diversas exposições como artista plástico de poemas-objeto e visuais, sendo a última mostra individual Livros-objeto-livros, no Centro Dragão do Mar, Fortaleza, 2006, e em parceria, Exposição de arte, de Eduardo Coimbra, com Amália Giacomicini, Paço Imperial, Rio, 2006.


(Dados extraídos de As Escolhas Afectivas - Ver link em Outras Margens)

Postagens mais visitadas