ANTÔNIO CARLOS SECCHIN








Antônio Carlos Secchin nasceu no Rio de Janeiro, em 1952. É professor de Literatura Brasileira da Faculdade de Letras da UFRJ e membro da Academia Brasileira de Letras. Estudioso de João Cabral de Melo Neto, tem um livro fundamental sobre o poeta pernambucano: João Cabral: a poesia do menos.

Obra poética:

A ilha. Edição particular, 1971.
Ária de estação. Livraria São José, 1973.
Elementos. Editora Civilização Brasileira, 1983.
Diga-se de passagem. Edições Ladrões de Fogo, 1988.
Todos os ventos. Editora Nova Fronteira, 2002.
Poema para 2002 (livro-objeto). Cacto Arte e Ciência, 2002.


"O MENINO SE ADMIRA..."

O menino se admira no retrato
e vê-se velho ao ver-se novo na moldura:
é que o tempo, com seu fio mais delgado,
no rosto em branco já bordou sua nervura.

E por mais que aquele outro não perdure,
quase sombra no relâmpago desse ato,
ele há de ver-se mais antigo no futuro,
vendo ver-se no menino do retrato.

É que o tempo, de tocaia em cada corpo,
abastece a manhã com voz serena,
que pouco a pouco se transmuda em voz de corvo,

na gula aguda de ficar sozinho em cena.
A moldura vazia denuncia o intervalo:
sobra o tempo, e nada ou ninguém para habitá-lo.


(p. 15)



















ARTES DE AMAR

paixão e alpinismo
sensação simultânea
de céu e abismo

paixão e astronomia
mais do que contar estrelas
vê-las
à luz do dia

amor antigo e matemática
equação rigorosa:
um centímetro de poesia
dez quilômetros de prosa


(p. 25)


LINGUAGENS

Percebi que o vôo negro dessa hipálage
beijava o mel dos lábios da metáfora,
e mais beijara, se não fora a enálage,
e mais revoara, se não fosse a anáfora.

Chorei mil mares profundos de hipérbole,
duas velas cortaram a metonímia,
enquanto o pé da catacrese andava
no compasso bem toante dessa rima.

Verteu prantos a anímica floresta,
mas nós entramos dentro do pleonasmo,
'stamos em pleno oceano de uma aférese...

Vai-se o expletivo, mais um e outro mais...
Os poetas, nós somos muito silépticos;
mas os poemas, elípticos demais.


(p. 50)

Os poemas acima pertencem ao livro 50 poemas escolhidos pelo autor, publicado pelas Edições Galo Branco, Rio de Janeiro, em 2006.

Postagens mais visitadas