HAROLDO DE CAMPOS
























A obra de Haroldo de Campos (1929-2003) é impressionante: na tradução, na pesquisa, na invenção, na crítica, na experimentação e na recriação da tradição poética. Sua presença é extraordinariamente forte na poesia brasileira contemporânea. Inquietação de outra natureza, mas também seminal, foi a que marcou a trajetória de Hélio Oiticica. Espero que as imagens do criador dos Parangolés e as palavras de um mestre que ultrapassou a fronteira do concretismo possam dialogar e dar uma diminuta mostra da vitalidade da obra dos dois artistas hoje e sempre.


Hélio Oiticica
















Grande Núcleo composto por: NC3, NC4 e NC6. HÉLIO OITICICA, 1960



A EDUCAÇÃO DOS CINCO SENTIDOS

1. chatoboys (oswald)
&nbsp &nbsp fervilhando
&nbsp &nbsp como piolhos

&nbsp &nbsp peirce (proust?) considerando
&nbsp &nbsp uma cor – violeta
&nbsp &nbsp ou um odor –
&nbsp &nbsp repolho
&nbsp &nbsp podre

&nbsp &nbsp odre – considere
&nbsp &nbsp esta palavra: vinhos,
&nbsp &nbsp horácio, odes
&nbsp &nbsp (princípio do
&nbsp &nbsp poema –
&nbsp &nbsp ogre)

2. o purgatório é isso:
&nbsp &nbsp entre / inter-
&nbsp &nbsp considere
&nbsp &nbsp o que vai da palavra stella
&nbsp &nbsp à palavra styx

3. (marx: a educação dos cinco
&nbsp &nbsp sentidos

&nbsp &nbsp o táctil o dançável
&nbsp &nbsp o difícil
&nbsp &nbsp de ser ler / legível
&nbsp &nbsp visibilia / invisibilia
&nbsp &nbsp o ouvível / o inaudito
&nbsp &nbsp a mão
&nbsp &nbsp o olho
&nbsp &nbsp a escuta
&nbsp &nbsp o pé
&nbsp &nbsp o nervo
&nbsp &nbsp o tendão)

4. o ar
&nbsp &nbsp &nbsp &nbsp lapidado: veja
&nbsp &nbsp como se junta esta palavra
&nbsp &nbsp a esta outra

&nbsp &nbsp linguagem: minha
&nbsp &nbsp consciência (um paralelograma
&nbsp &nbsp de forças não uma simples
&nbsp &nbsp equação a uma
&nbsp &nbsp única
&nbsp &nbsp incógnita): esta
&nbsp &nbsp linguagem se faz de ar
&nbsp &nbsp e corda vocal
&nbsp &nbsp a mão que intrinca o fio da
&nbsp &nbsp treliça / o fôlego
&nbsp &nbsp que junta essa àquela
&nbsp &nbsp voz: o ponto
&nbsp &nbsp de torção
&nbsp &nbsp trabalho diáfano mas que
&nbsp &nbsp se faz (perfaz) com os cinco
&nbsp &nbsp sentidos

&nbsp &nbsp com a cor o odor o repolho os piolhos

5. trabalho tão raro como
&nbsp &nbsp girar um pião na
&nbsp &nbsp unha

&nbsp &nbsp mas que deixa seu rastro
&nbsp &nbsp mínimo (não prescindível)
&nbsp &nbsp na divisão (cisão) comum
&nbsp &nbsp do suor

&nbsp &nbsp rastro latejante / pulso
&nbsp &nbsp dos sentidos que se (pre)formam:
&nbsp &nbsp im-prescindível (se mínimo)

&nbsp &nbsp o cisco do sol no olho
&nbsp &nbsp – claritas: jato epifânico!
&nbsp &nbsp alguns registros modulações
&nbsp &nbsp papel granulado ou liso uma dobra
&nbsp &nbsp certa um corte
&nbsp &nbsp seguro um tiro
&nbsp &nbsp na mosca

&nbsp &nbsp num relâmpago o tigre atrás da corça
&nbsp &nbsp (sousândrade)

&nbsp &nbsp o salto tigrino

6. o que acresce
&nbsp &nbsp resta
&nbsp &nbsp (nos sentidos)

&nbsp &nbsp ainda que mínimo
&nbsp &nbsp (húbris do mínimo
&nbsp &nbsp que resta)













PARAFERNÁLIA PARA HÉLIO OITICICA

1.
retículas
redes desredes
reticulares ares áreas
tramas retramas redes
áreas
reticulares
reticularia
colares de quadrículos
contas cubículos
áreas ares
tramas retramas
desarticulária
de áreas reais
o rosto implode
camaleocaleidoscópico

2.
o amarelo
os elos do amarelo
o vermelho
os espelhos do vermelho
o verde
os revérberos do verde
o azul
os nus do azul
os martelos do amarelo
as veredas do vermelho
os enredos do verde
os zulus nus do azul
os brancos elefantes do branco

3.
hélios, o sol, não desmesura

4.
(cineteatro nô / psicocenografado por sousândrade
&nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp com roteiro ideogrâmico de eisenstein)

&nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp onde se lê hagoromo, leia-se parangolé
&nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp onde se vê monte fuji, veja-se morro da mangueira

&nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp o parangoromo
&nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp pluriplumas
&nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp se héliexcelsa
&nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp hélifante
&nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp celucinário
&nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp até
&nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp decéuver-se
&nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp no céu do
&nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp &nbsp céu

5.
hélio sobe no zepelim das cores
movido a parangol’helium
e se dissolve no sol do céu

Postagens mais visitadas