LOUISE LABÉ

























Louise Labé, poetisa francesa (dita La Belle Cordière ou A Bela Cordoeira), (1522-1566)


Hoje, dia 12/04/2008, no Caderno Idéias, do Jornal do Brasil, há um ótimo artigo sobre Louise Labé, poeta francesa que viveu entre 1522 e 1566. O texto, do sempre lúcido e instigante Felipe Fortuna, recomendo a todos, afinal Louise Labé não é tão conhecida assim entre nós. Poeta renascentista, a sua obra é dotada de um intenso lirismo amoroso, e suas idéias e atitudes colocam-na como uma das mais ilustres precursoras do feminismo.
Toda a obra de Louise Labé (3 elegias, 24 sonetos e a “Disputa de Loucura e de Amor”) foi traduzida para o português por Felipe Fortuna e publicada em 1995 pela Editora Siciliano.
Como não possuo esse livro, resolvi publicar dois sonetos traduzidos para a língua portuguesa por Sérgio Duarte (retirados do livro Três mulheres apaixonadas, Companhia das Letras, 1999) e um, por Felipe Fortuna (tradução encontrada no site do autor: http://www.felipefortuna.com/).


SONET I

Si jamais il y eut plus clairvoyant qu'Ulysse,

Il n'aurait jamais pu prévoir que ce visage,

Orné de tant de grâce et si digne d'hommage,

Devienne l'instrument de mon affreux supplice.


Cependant ces beaux yeux, Amour, ont su ouvrir

Dans mon coeur innocent une telle blessure

-Dans ce coeur où tu prends chaleur et nourriture

-Que tu es bien le seul à pouvoir m'en guérir.


Cruel destin ! Je suis victime d'un Scorpion,

Et je ne puis attendre un remède au poison

Que du même animal qui m'a empoisonnée !


Je t'en supplie, Amour, cesse de me tourmenter !

Mais n'éteins pas en moi mon plus précieux désir,

Sinon il me faudra fatalement mourir.


SONETO I

Traducão de Sergio Duarte

Nem heróis como Ulisses e outros mais

Por mais sagazes e por mais divinos

Cheios de graça e louros peregrinos

Desafios provaram aos meus iguais.


Brilho desses olhos tão sensuais

Tanto inflamou meus sonhos femininos

Que para meus ardores repentinos

Não há remédio, se vós não m'o dais.


Ó dura sorte, que me faz igual

A quem pede socorro ao escorpião

Contra o veneno do mesmo animal.


Só peço que não me venha a fenecer

Esse desejo no meu coração

Porque, sem ele, é bem melhor morrer.


SONET II


Ô beaux yeux bruns, ô regards détournés,

Ô chauds soupirs, ô larmes épandues,

Ô noires nuits vainement attendues,

Ô jours luisants vainement retournée !


Ô tristes plaints, ô désirs obstiné,

Ô temps perdu, ô peines dépendues,

Ô milles morts en mille rets tendues,

Ô pires maux contre moi destiné !


Ô ris, ô front, cheveux bras mains et doigts !

Ô luth plaintif, viole, archet et voix !

Tant de flambeaux pour ardre une femelle !


De toi me plains, que tant de feux portant,

En tant d'endroits d'iceux mon coeur tâtant,

N'en ai sur toi volé quelque étincelle.


SONETO II

Tradução de Sérgio Duarte


Belos olhos que fingem não me ver

Mornos suspiros, lágrimas jorradas

Tantas noite em vão desperdiçadas

Tantos dias que em vão vi renascer;


Queixas febris, vontades obstinadas

Tempo perdido, penas sem dizer,

Mil mortes me aguardando em mil ciladas

Que o destino me armou por me perder.


Risos, fronte, cabelos, mãos e dedos

Viola, alaúde, voz que diz segredos

À fêmea em cujo peito a chama nasce!


E quanto mais me queima, mas lamento

Que desse fogo que arde tão violento

Nem uma só fagulha te alcançasse.


SONET V


Clere Venus, qui erres par les

Cieus Entens ma voix qui en pleins chantera,

Tant que ta face au haut du Ciel luira,

Son long travail et souci ennueieus.


Mon oeil veillant s'attendrira bien mieus,

Et plus de pleurs te voyant gettera.

Mieus mon lit mol de larmes baignera,

De ses travaux voyant témoins tes yeus.


Donq des humains sont les lassez esprits

De dous repos et de sommeil espris.

J'endure mal tant que le Soleil luit:


Et quand je suis quasi toute cassee,

Et que me suis mise en mon lit lassee

Crier me faut mon mal toute la nuit


SONETO V

Tradução de Felipe Fortuna


Vênus tão clara, pelo firmamento,

Escuta a voz que em queixas cantará,

Enquanto o rosto teu cintilará,

O seu cansaço e custoso tormento.


Meu olho vela em vigília a contento,

E ao teu ver muito pranto verterá,

Sobre meu leito mole, e o banhará,

Disso teus olhos têm conhecimento.


Pois são luminosas as almas cansadas

Em seu repouso e sono apaixonadas.

Já não suporto o Sol e seu fulgor:


E quando estou quase toda desfeita.

E que meu corpo no leito se deita,

A noite toda eu choro a minha dor.

Postagens mais visitadas