ZANTONC


Zantonc vestido para andar nas ruas do Rio de Janeiro

Publico um poema de Zantonc, não sei se é um poeta ou uma entidade, baixa de vez em quando, na verdade é alguém que escapa de mim, fora de controle. Disse-me o bardoido que está aproveitando a Reforma Ortográfica para escrever um Anarcodicionário da Língua Portuguesa. O texto abaixo é um esboço do emprendimento ainda na fase inicial, se bem que o poeta até hoje só tenha conhecido esta fase, nunca termina o que começa. Vamos torcer para que insista ou desista de uma vez do ofício de escrevinhador de nulidades. Confesso, no entanto, que não desgosto de sua visão anarcopoética, apesar de toda a acidez.

Como vocês podem ver, Poemargens é um blog de extremos; depois do maravilhoso Arnaut Daniel, post(o) isso.









 


Cildo Meireles


I n v o c a b u l u s

Insurreição. Substantivo existencial. Movimento de retorno à palavra manifestada como ausência. Cisão entre o antes e o depois. Ver: Antígona, Hölderlin, Vallejo e Khlébnikov.

Arte. Antinome indeterminado. Algo que desapareceu no horizonte, no tempo em que este ainda existia, entre Grécia e Bahia. Ver: Aristóteles, Hegel, Heidegger, Cartola e Zeca Pagodinho.

Palavra. Substantivo hipotético. Não é vocábulo, nome, termo, conceito ou qualquer definição conhecida. Autotélica e tautológica forma do nada, do qual emerge como fratura e suicídio. Ver: Wittgenstein, Beneviste, Guimarães Rosa, a Bibla (não encha o meu saco, ortografo como quiser).

Poesia. Substantivo indeterminado. Algo que impulsiona a pro-dução, poiésis. Paradoxo: o incriado criador que produz aquilo em que não pode ser encontrado, pois nele não reside. Passagem em múltiplas formas e suportes, ainda hoje há quem acredite em sua sobrevivência como energia criadora ou fantasma. Ver: sei lá, liga a televisão.

Poema. Substantivo em extinção. Arquitetura insuflada pela anima da poiésis. Espécie de inutensílio costurado por espaços inúteis e signos absurdos para gáudio de esnobes e narcisos. Espelho de poetas que dispensa a imago de leitores. Ainda que extintos, sobrevivem ferozes e falaciosos no mínimo círculo de seus iniciados. Ver: Concretismo, Ponge, e. e. Cummings, Apollinaire, Arnaldo Antunes. (serve também qualquer poeta de botequim).

Isso. Pronome inconclusivo. Dêitico especificativo de porra nenhuma. Opõe-se àquilo para tornar nítida a oclusão da existência. Expelido por Kierkegaard, tem infernizado a vida de filósofos, apesar de a filosofia ter se transformado em esquizofrenia. Ver: Heidegger e outros místicos.

Ética. Substantivo de marketing. Criado pelos irmãos Platão, Spinoza e Kant, sob a curadoria papal, faz parte dos organogramas empresariais e alimenta ongs picaretas. De natureza vaga e modus embromatorius, é uma máscara para o sem rosto da sociedade, normalmente disfarce para o repulsivo e o hediondo. Ver: direitos do consumidor, analistas políticos da burguesia (perdoem a redundância), sociólogos (ou seja, explicadores submissos da nossa realidade), religiosos (de preferência, fundamentalistas, tarados e pedófilos), melhor: consulte todo mundo, pois todos se declaram éticos.

Amor. Substantivo arcaico. Termo a ser banido da língua portuguesa. Mau hálito e azia. Dor de barriga. Insônia. Aumento de dívidas e da lista de remédios. Mau funcionamento do lado esquerdo do cérebro. Disfunção hepática e coronariana. Álvares de Azevedo, em mensagem psicografada, revelou-me ser o amor um pântano produzido apenas por palavras dispostas em uma química de enganos. Ver: Jack, o estripador, Sade, Safo, Oscar Wilde, a minha vizinha do quinto andar e as meninas da Vila Mimosa.

Postagens mais visitadas