DENISE EMMER

Poeta, compositora, cantora, violoncelista e escritora.

Filha dos escritores Janete Clair e Dias Gomes, tornou-se primeiramente conhecida por temas musicais compostos para personagens das telenovelas,tais como "Pelas muralhas da adolescência", Bandeira 2, e "Alouette", Pai Herói, "Companheiros",Sinhá Moça, entre outros, alcançando depois, reconhecimento pela sua vasta e premiada produção poética.

É violoncelista da Orquestra Rio Camerata.

A poesia de Denise Emmer, sobretudo depois deste seu último volume Lampadário (Editora 7Letras, 2008), pode ser tida como um exemplo de obra que, mesmo antes do julgamento implacável do tempo histórico, irá se inscrever no cânone dos grandes poetas brasileiros. São poucos os autores dos quais podemos fazer tal ilação extemporânea, afirmando-a a partir, não da subjetividade do gosto, mas da análise do conjunto da própria obra em questão. Neste sentido, basta consultarmos o que sobre sua obra escreveram alguns dos mais notáveis críticos e poetas brasileiros contemporâneos.

(...)
Sem dizer tudo ou mais que o necessário, Denise Emmer nos diz o essencial, aquilo que, nada nos explicando, aflora no horizonte da linguagem como “algo” decifrador da essência humana, pois a explicação – como já afirmou Heidegger – pensa “mecanicamente”, e não no horizonte da linguagem. (...)

Sem abrir mão modernamente da imanência sagrada da linguagem poética, Denise Emmer, assim como um Cruz e Sousa ou uma Cecília Meireles, capta-a ao nível da linguagem mesma da poesia: seja pela musicalidade ou pela plasticidade de suas imagens.

Resumindo: seus poemas conseguem nos transmitir tanto a harmonia de um canto gregoriano como o rigor colorístico da profissão de fé de Paul Cézanne. A presença do sagrado em seus poemas não se restringe, portanto, a uma temática especificamente religiosa – ao contrário, ela imana do próprio mundo, da natureza, da vida. No terceiro poema metalingüístico de “Dicionário da língua bela”, ela escreve, confirmando tudo o que dissemos acima: “Das rochas escuto rimas / Deixo que passem pássaros / As palavras as vertigens / Não me aproprio ainda / Do seu imprevisto canto / Escalo a página em branco”.

Sendo, além de poetisa, romancista e musicista, uma aficcionada do alpinismo (Memórias da montanha é um relato memorialístico sobre o tema publicado pela Ediouro em 2006), o último verso citado acima – “Escalo a página em branco” – pode ser lido como uma sucinta definição do seu processo criativo. Afinal, uma das metáforas sobre a poesia não pode ser também a de deparar-se com o mistério da montanha e com o espanto de escalá-la?

Texto de Frederico Gomes - poeta e tradutor
(Jornal do Commércio - RJ)


Obras da autora:

POESIA

*Geração Estrela- Rio de Janeiro, Ed Paz e Terra 1975 (orelha Moacyr Félix)
*Flor do Milênio – Rio de Janeiro, Ed Civilização Brasileira, 1981. (prefácio Moacyr Félix)
*Canções de Acender a Noite – Rio de Janeiro, Ed Civilização Brasileira, 1982. (Prefácio João Paes Loureiro)
*A Equação da Noite – Rio de Janeiro, Ed Philobiblion, 1985. (Prefácio Pedro Lyra)
*Ponto Zero – Rio de Janeiro, Ed Globo, 1987. (Prefácio Antônio Houaiss e posfácio Olga Savary)
*O Inventor de Enigmas – Rio de Janeiro, Ed José Olympio, 1989. (Prefácio Ivan Junqueira)
*Invenção para uma Velha Musa – Rio de Janeiro, Ed José Olympio, 1990. (Prefácio Nelson Werneck Sodré)
*Teatro dos Elementos & Outros Poemas – Rio de Janeiro, Ed 7Letras, 1993. ( Prefácio Rachel de Queiroz)
*Cantares de Amor e Abismo – Rio de Janeiro, Ed 7Letras, 1995. (Prefácio Carlos Emílio Corrêa Lima)
*Poesia Reunida – Rio de Janeiro, Ediouro, 2002. (Organização Sérgio Fonta)
*Lampadário – Rio de Janeiro, Ed. 7Letras, 2008 (pref. Alexei Bueno)

ROMANCE

*O Insólito Festim – Rio de Janeiro, Ed Nova Fronteira, 1994. (Prefácio Rachel de Queiroz)
*O Violoncelo Verde – Rio de Janeiro, Ed Civilização Brasileira, 1997. (Prefácio Sérgio Viotti)
*Memórias da Montanha – Rio de Janeiro, Ediouro, 2006.

PRÊMIOS

**Prêmio Guararapes de Poesia, União Brasileira de Escritores, 1987
**Prêmio União Brasileira de Escritores- melhor autor jovem, 1988
**Prêmio Nacional de Literatura do PEN Club do Brasil, poesia (Prêmio Luiza Claudio de Souza), 1990
**Prêmio APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte),1990
**Prêmio Olavo Bilac, poesia, Academia Brasileira de Letras – ABL, 1991
**Prêmio José Marti de Literatura, Conjunto de Obra, Casa Cuba- Brasil, 1995
**Prêmio Nacional de Literatura do PEN Club do Brasil, romance (Prêmio Luiza Claudio de Souza), 1995
**Prêmio Alejandro José Cabassa, romance, União Brasileira de Escritores, 1995
**Prêmio Yeda Schmaltz, UBE, poesia, 2002
**Prêmio José Picanço Siqueira, Memória Romanceada, União Brasileira de Escritores, 2007
**Prêmio Cecília Meireles de Poesia, da União Brasileira de Escritores, 2008
**Prêmio ABL de Poesia 2009


POEMAS

























DICIONÁRIO DA LÍNGUA BELA


- I -

Estrelas de azul vertigem
Nada me dizem falam de si
Maior abismo cava-se aqui

- II -

Amor amor
Viestes vazio
Nada me luz
Nada me cio
Já não me entregas teu rio

Ontem selvagem
hoje sombrio
O que me trazes
Jornal da tarde
Secas folhagens
- horas de estio.

- III -

Das rochas escuto rimas
Deixo que passem pássaros
As palavras as vertigens
Não me aproprio ainda
Do seu imprevisto canto
Escalo a página em branco.

- IV -

O que será a noite noite cheia
Céu que incendeia e nada clara
Nada me fala se não senões
Astros borrões rostos distantes
Quasar pulsante - de nada sei.










VIAS AVESSAS

Chegas por vias avessas escuto teus passos surdos
Deuses que movimentam a incoerência do mundo
Regem relógios quietos de horas que não existem
Feliz a insanidade das multidões irascíveis

Se há mares em teus abraços mergulho em sóis afundados
Decifro a nova linguagem que inutiliza tratados
E despedaça países fundidos em calmarias
O amor desgoverna os ventos assombros em abadia

Viajo os rumos trocados as ruas que se invertem
Distâncias que se encontram pernas que se perseguem
Olhos que confabulam dentro de rios quentes
Percebo outras cidades nos vãos de uma nova lente

O que me faz alcançar as caravelas aéreas
Andaimes velozes cumes a indizível matéria
São teus incêndios a luz que espalhas pelo Universo
E por meu corpo acendendo meus lampiões submersos.


















Rubens Gerschman



O BEIJO


Levou-me sem feitas frases

Somente passo e camisa

Roubou-me um beijo de brisa

Na quadratura da tarde


Jogou-me contra a parede

Rasgou-me a blusa de linho

Roubou-me um beijo de vinho

Diante das aves vesgas


Puxou-me para seu fundo

Rompeu a rosa pirâmide

Roubou-me um beijo de sangue

E bateu asas no mundo.




















Modigliani



A CARTA

Zarparam meus navios mar adentro
Levando minha carta sem palavras
Quando o dizer tudo é dizer nada
Poemas de horizontes reticências

Se posso discorrer a transparência
Já não me afogo em frases para tanto
E o que posto é uma folha em branco
Para dizer-te árvores sem flores

Não traço dores tampouco alegrias
Antes sorria agora sou um livro
Que abriga extensas pausas sem ruído
Quando o dizer mais é dizer findo.
























Siron Franco



MULHERES QUE ENTERRAM FILHOS:

Mulheres que enterram filhos
Invertem o curso dos rios

Deságuam o mar em regatos
Antecedem o fim do ato

Tratados de sóis contrários
O trovão antes do raio

São estrelas que se afundam
Big-Bang depois do mundo

Maçãs retornando à árvore
Tropeços da gravidade

Vulcões de tempero frio
Horizontes em desvio

Avesso do negativo
Padecer sem ter nascido

- Mulheres que enterram filhos –

Se alvo de velhas vingas
Se pacto de suicidas

Instauram o não previsto
E deixam pequenos cristos.





















OS ANIMAIS QUE MORREM

Os animais que morrem
viram luzes
assombros tão pequenos
entre escuros
espectro sereno
sobre muros

os animais que morrem
são futuros.

Postagens mais visitadas