quarta-feira, 7 de setembro de 2011

MANOEL DE BARROS II




















POEMA


A poesia está guardada nas palavras - é tudo que
eu sei.
Meu fado é o de não saber quase tudo.
Sobre o nada eu tenho profundidades.
Não tenho conexões com a realidade.
Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre as
insignificâncias (do mundo e as nossas).
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.
Fiquei emocionado e chorei.
Sou fraco para elogios.


3 comentários:

  1. Parabéns pelo blog: bonito, criativo e, sobretudo, inteligente!
    Virei aqui mais vezes,

    Maria Maria

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde.Concordo plenamente."Sobre o nada eu tenho profundidades".
    Realmente é assim, na maioria das vezes.Filosofamos sobre o que aparentemente é o nada, mas que na realidade, traz consigo uma profundidade imensa!
    Amei tudo, de uma inteligência bem sutil!
    Um beijo, e fique com Deus!

    ResponderExcluir
  3. Hoje mesmo,Deparei com a mesma imagem, inserida num conto do Livro de Manoel de Barros, um livro recolhido das estantes das bibliotecas das escolas estaduais, devido a linguagem presente nos textos... mas é impressionante, como as pessoas se preocupam tanto com NADA e não sentem a profundidade das entrelinhas de cada conto... Lindo seu blog ... Parabéns...

    ResponderExcluir