sábado, 6 de fevereiro de 2016

Catulo





















O pornolirismo de Catulo transcriado por Décio Pignatari

Eu lhe peço, doce Ipsitila,
Delícia e graça da minha vida,
Que você marque um encontro à tarde,
Em sua casa. Se sim, não tranque
A porta, por favor, e não pense
Em sair, em hipótese alguma:
Permaneça em casa e se prepare
Para nove trepadas seguidas.
 Mas, se achar melhor, vou neste instante:
Almoçado e deitado, já estou
perfurandoatúnicaeomanto!*

(*) Imagine-se o poeta a falar a Ipsitila ao telefone, com entonações de la voix humaine: a gradação de efeitos fica mais clara.


In PIGNATARI, Décio..31 poetas 214 poemas: do Gigveda e Safo a Apollinaire. 2a. ed. Campinas-SP: Unicamp, 2007, p. 67.

O poema de Catulo

Carmina 32

Amabo, mea dulcis Ipsitilla,
meae deliciae, mei lepores,
iube ad te veniam meridiatum.
Et si iusseris, illud adivuato,
ne quis liminis obseret tabellam,
neu tibi lubeat foras abire,
sed domi maneas paresque nobis
novem continuas fututiones.
Verum si quid ages, statim iubeto:
nam pransus iaceo et satur supinus
pertundo tunicamque palliumque.


Nenhum comentário:

Postar um comentário